« Voltar

Dicas para andar de bicicleta com crianças

Dicas para andar de bicicleta com crianças

Outubro é mês da criança, e nada combina mais com infância do que andar de bicicleta!

Mesmo nos tempos do videogame e do celular, é difícil encontrar uma criança que não se divirta aos montes andando de bicicleta, principalmente quando a experiência na pedalada é positiva. 

Por isso, neste mês das crianças, confira algumas dicas valiosas não só para quem quer levar uma criança pequena para dar umas voltas na cadeirinha, mas também para quem quer apresentar o incrível mundo das bicicletas para alguém mais jovem. 

Vamos lá!

1 – Segurança em primeiro lugar 

Na bike, adultos e crianças devem usar equipamentos de segurança, especialmente o capacete. Além disso, principalmente na criança, é importante verificar se o equipamento está bem colocado e devidamente apertado. 

Antes de sair de casa, convém verificar se a manutenção da bike está em ordem, conferindo detalhes como apertos dos principais parafusos e também o estado e a calibragem dos pneus

2 – Cadeirinhas para crianças

Antes de qualquer coisa, o mais importante é escolher uma cadeirinha de qualidade, compatível com o peso e a altura da criança, e ter certeza de que ela é totalmente compatível com a sua bike – no Brasil, procure modelos com selo do Inmetro. 

A maioria das cadeirinhas para bicicleta que vão montadas na traseira da bike vão presas no canote e no triângulo traseiro, embora alguns modelos sejam presos ao tubo do selim. Normalmente, a cadeirinha traseira comporta crianças maiores, enquanto a dianteira é mais indicada para os menores. 

Se a cadeirinha for presa em um bagageiro, certifique-se que o peso dela e o da criança não vai ultrapassar o limite de peso suportado por sua bicicleta.   

Seja como for, depois de colocar a cadeirinha, vale a pena acostumar-se com ela na bike antes de levar a criança para passear. Para isso, coloque alguma coisa pesada e treine dar umas voltas com a bike, e também como subir e descer dela. Muita gente prefere colocar um pezinho na bike para facilitar. 

Com as cadeirinhas traseiras, atenção especial nas subidas, já que o peso extra da criança pode fazer a bike empinar – jogue peso para frente. 

Um detalhe muito importante a ser observado é se a cadeirinha tem uma proteção grande o suficiente para evitar que nada possa ficar enroscado nas rodas da bike ou em partes de sua transmissão. 

3 – Para quem está começando, aposte nas bikes de equilíbrio

Embora ela não tenha pedais, a bike de equilíbrio é a melhor maneira de ensinar alguém a dar as primeiras “pedaladas”. Isso porque, ela ensina para a criança o fundamento mais difícil da bicicleta, que é justamente equilibrar-se sobre ela. 

Para isso, a bike de equilíbrio aposta em um movimento mais natural, já que ela permite que a criança apoie os pés no chão, usando-os para dar impulso. No começo, ela vai apenas andar sobre a bicicleta e, com o tempo, a criança aprende a dar impulsos mais fortes, tirando os pés do chão por períodos cada vez maiores. 

Via de regra, elas são indicadas para crianças entre 18 meses e 7 anos, mas é extremamente importante respeitar os limites da própria criança – lembre-se sempre que cada um tem seu ritmo. 

Depois, com o equilíbrio dominado, a transição para a bike convencional sem as rodinhas fica muito mais fácil. 

 

4 – Recomendações básicas de tamanho

Idade da criança1 a 3 anos2 a 5 anos3 a 6 anos4 a 7 anos6 a 9 anos8 a 11 anos12+ anos
Tamanho da rodaMenor que 12”12”14”16”20”24/26”26”.

 

A tabela acima é apenas uma recomendação geral, já que cada criança tem um tamanho e cada bicicleta tem uma geometria. Por isso, use apenas como ponto de partida e lembre-se que, o ideal, é colocar a criança na bike e ver se o tamanho ficou bom. 

5 – Motivação em alta

Toda criança segue os pais como exemplo. Por isso, melhor do que levar uma criança para pedalar é andar de bike junto com ela, principalmente em locais onde mais pessoas, especialmente outras crianças, também estejam pedalando – a diversão é contagiosa. 

Outra dica importante é manter as pedaladas mais curtas, sempre respeitando os limites da criança. Além de parques e praças, muitas cidades do Brasil possuem estruturas especialmente criadas para bikes como os pump-tracks.

6 – Pump-tracks

Os pump-tracks são pistas especialmente desenvolvidas para serem super divertidas e para treinar o “pump”, um dos fundamentos mais importantes da bicicleta, principalmente nas modalidades fora de estrada.

O pump nada mais é do que usar o próprio terreno para impulsionar a bicicleta, usando braços, pernas e tronco para ganhar embalo, mas sem pedalar. 

Por estes motivos, normalmente os pump-tracks estão repletos de crianças de todas as idades, e muitos deles inclusive tem escolinhas de bike, um ambiente ótimo para quem gosta de viver um pouco da cultura da bike – se sua cidade tiver um, vale a pena conhecer.

7 – Pedaladas em família 

Como vimos acontecer na história da Ana Paula, que se apaixonou pela bike e levou a família inteira junto, a paixão pela bike pode ser bastante contagiante. Por isso, aproveitar a empolgação de uma criança para botar a família toda para pedalar pode ser uma excelente alternativa. 

Para isso, é importante que todo mundo se divirta e sinta-se confortável com a atividade, nem que ela seja apenas dar algumas voltas no parque. Se você for a pessoa que mais pedala em casa, neste momento é importante conter sua empolgação e encontrar atividades que sejam acessíveis para quem anda menos do que você.  

Opte por pedaladas mais curtas no parque, depois passeios em ciclovias fechadas ou outros locais bem tranquilos, sem trânsito, subidas ou descidas muito fortes. Lembre-se que a evolução na bicicleta é um processo gradativo.

Outra ótima alternativa é “igualar” as coisas para todos, o que atualmente pode ser feito com a adoção de bicicletas elétricas. Modelos como a Big Wheel 8.0 são especialmente indicados para pedalas urbanas

Já bikes como a Big Wheel 8.3 são perfeitas para esticar aventuras fora de estrada, sendo inclusive uma ótima opção para quem é maiorzinho e está interessado em aventuras mais desafiadoras.   

Seja como for, lembre-se que a bike é uma atividade para a vida toda, e nada melhor do que começar com ela quando ainda somos jovens!

Nos vemos nos pedais!