« Voltar

Bicicleta de fibra de carbono vale a pena?

Bicicleta de fibra de carbono vale a pena?

Leves e rápidas, as bikes de carbono são a escolha dos pilotos profissionais da Squadra Oggi. 

Por ser movida com a força das pernas do ciclista, a bicicleta é um veículo que o peso faz total diferença, e isso basicamente independe da categoria. Por conta disso, nos segmentos de mais alto desempenho do esporte, a fibra de carbono costuma ser o material de construção favorito.

Porém, para o consumidor comum, ou para quem tem menos para investir, o alumínio segue sendo uma excelente opção e, em alguns casos, pode inclusive oferecer vantagens sobre o carbono.

Com isso em mente, confira as principais características de cada material e decida se a bike de carbono vale ou não a pena para você.


Fibra de carbono

Uma bike de fibra de carbono é construída com diversos pedaços de tecido unidos por uma resina especial. Por conta disso, os engenheiros de desenvolvimento podem escolher exatamente quanto material deve ser utilizado, além da direção de maior resistência e flexibilidade em diferentes partes do quadro. A disposição dos retalhos de carbono é conhecida como Layup.

Isso quer dizer que um quadro de fibra pode ser super leve e resistente. Afinal, além da comprovada força do carbono, é possível utilizar pequenas quantidades de tecido e resina em regiões estratégicas.

Ao mesmo tempo, o projetista pode posicionar as fibras de forma a criar flexibilidade estrutural em partes como a traseira da bike, o que ajuda a ampliar o conforto. Em regiões como o movimento central e o chain-stay, formas avantajadas e mais quantidade de fibra criam áreas super rígidas, ajudando a transmitir a potência do ciclista.

Por outro lado, o carbono não lida bem com forças aplicadas em direções não especificadas em projeto. A pressão aplicada por um rack de transporte muito apertado, por exemplo, pode danificar um quadro, com o mesmo valendo por apertos excessivos em parafusos. Pancadas contra pedras e outros objetos duros também são menos tolerados.

Porém, isso não quer dizer que a bike de carbono vá quebrar sem motivo, principalmente se ela for de uma marca conhecida como a Oggi. Em nossa linha, até mesmo modelos super leves como a Agile Squadra 2021, que pesa menos de 9.5 Kg, possuem a excelente garantia Oggi Bikes. Vale lembrar que essas bikes são pedaladas por atletas profissionais, que fazem um uso muito mais intensivo do material. Portanto, pode ter certeza de que sua Oggi de carbono atende aos mais altos padrões de qualidade do mercado.

Muita gente acredita que a bike de carbono é mais complicada de lavar. Porém, isso não é verdade. Assim como qualquer bike, não devemos utilizar solventes fortes na limpeza, apenas produtos simples – até água e detergente neutro podem ser utilizados.

A bike de carbono não estraga de ficar no calor ou no frio, e o carbono também pode ter uma vida útil maior do que os quadros de metal, já que seu ciclo de desgaste por fadiga é completamente diferente.

Por fim, um ponto que devemos levar em conta do carbono é seu preço, que deriva de um processo de desenvolvimento e produção muito mais complicado. Além disso, é importante ter mais cuidado na manutenção, principalmente com o aperto dos componentes – o uso do torquímetro é obrigatório.

 

Alumínio

Há cerca de 25 anos, antes da fibra de carbono aparecer no mundo das bikes, o alumínio era o material mais utilizado em bicicletas de alto desempenho. Leve, barato e resistente, até hoje seu desenvolvimento segue a todo vapor, criando bikes que conseguem unir desempenho e custo-benefício.

Além do baixo peso, uma das maiores vantagens do alumínio é o convívio simplificado com a bike. Ela tolera bem alguns abusos, não oxida facilmente e, via de regra, não requer ferramentas especiais para manutenção – sim, o uso do torquímetro para apertar os parafusos ainda é recomendado, mas as margens de tolerância são muito maiores do que no carbono.

Outro detalhe é que, na hora do transporte ou em caso de quedas, as chances de danos podem até existir, mas elas são menores do que nos modelos de carbono.

Atualmente, quadros modernos como os utilizados na linha Oggi Big Wheel possuem diversas tecnologias inovadoras como os tubos de espessura variável, que são mais grossos perto das soldas, onde o esforço é maior, e mais finos no meio, para manter o peso baixo.

Além disso, diversos modelos desta linha, como a nova Oggi Big Wheel 7.6, utilizam um tubo de selim com a base trapezoidal, o que reforça a área do movimento central para melhorar a transmissão de potência do ciclista – mais ou menos como acontece em um quadro de carbono.

Em alguns componentes como mesas, canotes e guidões, onde a força vem de várias direções, as peças de alumínio chegam a ter um peso quase tão baixo quanto as de carbono, significando que a diferença entre os materiais nem sempre é tão grande.

Mas, via de regra, fazer um quadro de alumínio flexível e confortável é mais complicado, e por conta disso algumas bikes de alumínio são um pouco mais duras – nada que uma boa suspensão e pneus de alto volume como o Kenda Booster Pro não resolvam.

 

Conclusão – Bicicleta de fibra de carbono vale a pena?

A resposta para essa pergunta é “depende de seu objetivo”. Se você deseja uma bike para andar rápido, vencer competições, treinar com afinco ou simplesmente gosta de ter a bicicleta mais leve e mais moderna do mercado, realmente o carbono é sua melhor opção.

Porém, as bicicletas de alumínio continuam sendo uma ótima pedida para quem deseja um pedal mais descompromissado, ou mesmo para quem deseja pedalar com alto rendimento, mas prefere apostar no custo-benefício.

No fim, o que importa é sentir-se bem com a sua bicicleta e curtir o seu pedal, seja a bordo de uma bike de carbono ou de alumínio.

E para você, qual tipo de bike é mais legal? Nos responda nos comentários em nossas redes sociais.