« Voltar

Como calibrar os pneus da sua Mountain Bike?

Como calibrar os pneus da sua Mountain Bike?

Acerte a pressão correta dos pneus da sua bicicleta e pedale com muito mais conforto, controle e segurança

Seja sua bike uma top de linha ou um modelo mais básico, acertar a pressão dos pneus é o passo mais importante para melhorar seu controle sobre a bike. De quebra, utilizar a pressão correta ainda melhora seu conforto, evita danos ao equipamento e até ajuda a reduzir os furos de pneu.

 

No guia abaixo, além de dicas mais básicas e tabelas de pressão, você vai encontrar algumas dicas mais avançadas, que exigem um pouco mais de critério do ciclista, mas podem ajudar na hora de encontrar a melhor pressão para seus pneus, inclusive em terrenos diferentes.

Básico

1 – Use sempre o mesmo manômetro

Sejam em bombas manuais, de posto de gasolina ou seja lá o que for, manômetros amadores costumam apresentar variações relativamente grandes entre si. Por isso, utilize sempre o mesmo equipamento para medir a pressão dos seus pneus – mesmo que ele esteja marcando um pouco errado, você terá sempre o mesmo erro.

 

2 – Pressão máxima e mínima

Na lateral de qualquer pneu, você vai encontrar a recomendação de pressão máxima e mínima de funcionamento. Lembre-se que estes números indicam apenas os extremos, e que raramente eles são recomendados para uso.

Por exemplo, muitos pneus de mountain bike suportam até 60 libras de pressão. Porém, você jamais vai utilizar esta pressão em nenhuma situação de trilha.

 

3 – Tabelas de pressão – sem câmara

Em uma rápida busca pela internet, você vai encontrar centenas de tabelas com recomendações de pressão para pneus de mountain bike. Você vai reparar que os valores variam de acordo com dois fatores: largura do pneu e peso do ciclista.

Pneus maiores e ciclistas mais leves podem usar menos pressão. Ciclistas mais pesados e pneus menores, por outro lado, precisam de pressões maiores.

 

A tabela abaixo é indicada para pneus sem câmara. Se sua bike ainda estiver equipada com câmaras, adicione cerca de 3 libras de pressão. 

Intermediário

1 – Menos é mais

O segredo para calibrar corretamente os pneus da mountain bike é sempre conseguir utilizar a menor pressão possível, sem que isso cause efeitos colaterais como furos, perda de dirigibilidade e aumento da resistência contra o rolamento.

Em contrapartida, menos pressão significa mais conforto, controle e aderência para a bicicleta.

Explicamos como fazer isso abaixo:

 

2 – Preste atenção nos furos e batidas de aro

O primeiro sintoma de um pneu muito vazio são os furos estilo “mordida de cobra”. Eles acontecem quando a câmara fica prensada entre o aro da bike e um objeto com quina, como uma guia ou uma pedra – com isso, aparecem dois pequenos furos na câmara, como uma mordida de cobra.

Se você detectar este sintoma, aumente a pressão dos pneus da sua bicicleta em ao menos 5 PSI.

 

3 – Pneu sem câmara ou com câmara?

Os pneus sem câmara sobrevivem melhor ao problema de furos descrito acima, por isso eles podem ser utilizados com pressões menores. Boa parte das bicicletas da Oggi já vem com pneus e aros prontos para a conversão tubeless – se este for o caso da sua, recomendamos fortemente a alteração.

Porém, lembre-se que mesmo os pneus em câmara podem sofrer com furos e até danos no aro em caso de impactos muitos fortes. Por isso, não abuse!

 

4 – Pneus dobrando

Outro sintoma de pneus macios demais é a perda de precisão na pilotagem ou pior: pneus dobrando em curvas mais fortes, correndo o risco de escapar do aro. O fenômeno conhecido como “tire burb”, que acontece principalmente no pneu dianteiro, pode até causar um acidente.

Por isso, se sentir que os pneus da bike estão dobrando durante as curvas, aumente a pressão em algumas libras.

5 – Bike amarrada

Outro sintoma perceptível de pouca pressão é a bike “amarrada” para pedalar, principalmente quando o terreno é mais liso como asfalto ou estradas de terra bem batida. Se sentir isso, aumente a pressão dos pneus de duas em duas libras até achar o valor ideal.

Porém, quando o terreno tem mais buracos e ondulações, muitas vezes uma pressão mais baixa aumenta a velocidade de rolamento, já que o pneu “engole” os buracos ao em vez de bater neles, o que rouba energia cinética da bike.

Por isso, é extremamente difícil acertar a pressão para todas as situações, e fatalmente você vai ter que encontrar um meio termo.

 

6 – Atenção ao terreno

Além do peso do ciclista e das características do pneu, o tipo de terreno que você vai andar tem total influência na pressão correta dos pneus.

  • Na lama, convém esvaziar os pneus, principalmente o dianteiro, para melhorar a aderência.
  • Trilhas com muitas pedras pedem mais pressão para evitar furos e danos ao equipamento.
  • Trilhas de terra batida, que oferecem muita aderência, também pedem um pouco mais de pressão nos pneus, para evitar que eles dobrem nas curvas, principalmente nas com “parede”.
  • Em terrenos escorregadios, com cobertura solta sobre terra batida, a pressão dos pneus pode ser menor.

Avançado

1 – Aros mais largos

Muitas marcas de bike como a Oggi apostam em aros mais largos, que oferecem uma base mais larga para os pneus. Com isso, é possível utilizar menos pressão sem sofrer com o problema descrito no item anterior.

Bikes modernas como a Oggi Cattura Pro T20, e mesmo modelos mais básicos como a Big Wheel 7.0 já utilizam aros com 25mm de largura interna – o padrão mais atual para bicicletas de cross-country.

 

2 – Pneus mais largos

Por possuírem mais volume de ar, pneus mais largos podem ser utilizados com menos pressão. Porém, aqui fica um alerta: aumentar exageradamente a largura do pneu sem um aumento proporcional na largura dos aros deixa o pneu mais suscetível à dobrar.

Na linha atual da Oggi, o uso de pneus como o Kenda Booster Pro 2.4’’, combinado com aros de 25mm de largura interna, permitem encontrar uma ótima relação entre baixo peso, muito conforto e excelente tração.

 

3 – Pneus com reforço estrutural

Muitos pneus possuem versões com camadas estruturais que reforçam a estabilidade da carcaça. Modelos como o Kenda Pinner Pro AGC, indicado para bikes de downhill, por exemplo, possuem camadas de proteção contra furos e faixas contínuas de material ao longo dos talões, que evitam que ele dobre-se facilmente em curvas.

Com esta carcaça super reforçada, ele pode chegar a pesar quase 1300g, mas a pressão de uso pode ser menor, mesmo nas situações extremas das competições de gravidade.

Por outro lado, pneus leves como o Booster Pro, que pesa pouco mais de 600g e tem indicação para cross-country, costumam ter carcaças mais finas, com tecidos de proteção contra furos mais leves. Por conta disso, eles dobram-se com mais facilidade em curvas, o que acaba exigindo uma pressão um pouco maior.

Por isso, se você trocar o pneu da sua bike por um mais “parrudo” ou por outro mais “leve” ou vice-versa, convém reavaliar a pressão de uso.

 

4 – Protetores de aro

Feito de espuma, os protetores de aro são montados dentro do pneu. No geral, eles possuem formato de tubo (como um macarrão de piscina), ou de fita, e funcionam como um “amortecedor”, evitando a maioria dos problemas relacionados com pressões mais baixas de trabalho.

Por isso, este tipo de equipamento, apesar de acrescentar peso na bike, ajuda na hora de pedalar em terrenos com pedras e buracos com menos pressão, mais tração e menor risco de furos – se você é um ciclista agressivo, esta é uma opção que pode valer a pena.

Esquecemos alguma coisa? Gostaria de acrescentar alguma dica? Use os comentários em nossas redes sociais!