« Voltar

Como pedalar sem sentir dores?

Como pedalar sem sentir dores?

 

Com estas pequenas dicas, seu pedal fica muito mais confortável, empolgante e divertido

Pelo máximo que andar de bicicleta seja uma experiência extremamente agradável, a verdade é que a dor pode estragar qualquer pedal, seja você um ciclista novato ou experiente.

Por isso, preparamos algumas dicas simples, que você pode fazer em casa ou durante a pedalada, e outras que envolvem algum custo, mas todas para manter seus giros livres de incômodos, formigamentos e dores em geral.

Confira!

1 – Compre uma bicicleta do tamanho certo  

O ponto de partida do conforto no seu pedal certamente é a escolha correta do tamanho da sua bicicleta. A linha da Oggi aposta em uma grande variedade de tamanhos, justamente para garantir que nossos clientes encontrem a bicicleta mais adequada à sua anatomia – inclusive, a Linha Feminina da Oggi foi desenvolvida especialmente com ergonomia das mulheres em mente. 

A escolha da bike correta fica muito mais assertiva quando feita com a ajuda de um profissional de bike fit, ou com um lojista experiente. Apesar disso, você pode usar a tabela abaixo como ponto de partida. 

2 – Faça um Bike Fit com foco no conforto

O Bike Fit, ou ajuste postural, é um dos passos mais importantes para melhorar o conforto da pedalada, principalmente se você for iniciante. Acredite: ciclistas experientes e que pedalam muitos quilômetros tem o corpo mais adaptado ao esporte, sendo menos suscetíveis à incômodos maiores.

No ajuste postural, um profissional treinado e gabaritado vai medir seu corpo e sua flexibilidade, para ajustar a bike da maneira correta para suas dimensões. Porém, é importante destacar para o profissional que seu objetivo é o conforto, já que o bike fit pode ser mais focado em outras valências como o desempenho ou a aerodinâmica.

Importante – Lembre-se que sentir dores fortes ou formigamentos não é normal, e que sempre é recomendado procurar um profissional gabaritado, de preferência com formação acadêmica, para detectar possíveis problemas físicos.

 

3 – Escolha o selim da largura correta

Selins grandes, super macios e capas de gel costumam não resolver a dor mais comum do ciclista, principalmente em pedais mais longos. Isso acontece porque, quando andamos de bike, o peso do corpo deve ficar apoiado sobre os ísquios, que são aqueles dois pequenos ossos localizados na base das nádegas.

Selins moles demais permitem que o corpo afunde, apoiando o peso em partes mais delicadas da anatomia humana – funciona em curto prazo, mas a pressão vai acabar incomodando em atividades de maior duração.

Durante o bike fit, o profissional utiliza uma almofada especial para medir a distância entre os ísquios. Assim, ele pode escolher o selim da largura mais adequada. Porém, esse trabalho não substitui a dica abaixo:

 

4 – Teste muitos selins

Em uma rápida busca, dá para perceber que existem centenas de milhares de modelos de selins no mercado. Neste mar de opções, encontrar o modelo que mais se encaixa em sua ergonomia pode parecer impossível. Mas, depois que você encontrar, basta seguir comprando modelos semelhantes ou iguais – inclusive, o conceito de “selim de estimação” é bastante comum. 

 

Por isso, uma boa dica é, sempre que sair para pedalar com amigos, peça para dar uma voltinha na bike deles. Certamente, descobrir o selim perfeito exige uma pedalada mais longa. Mas, em alguns minutos já dá pra saber se aquele modelo é ou não uma boa opção para você.

 

5 – Escolha uma bicicleta bem desenvolvida

Assim como qualquer outro produto, uma bicicleta pode ser feita de muitas maneiras diferentes. Por isso, um ótimo ponto de partida para pedalar sem dores é investir em bicicletas de marcas consagradas como a Oggi.


Afinal, na Oggi, milhares de horas de trabalho de uma equipe de desenvolvimento altamente capacitada resultam na escolha de componentes e geometrias com ergonomia e qualidade comprovadas, o que faz toda a diferença em seus pedais.

 

6 – Formato do selim

Todas as recomendações abaixo são genéricas. É muito importante destacar que o formato do selim é uma escolha extremamente particular e que depende de testes. Mas, algumas regras gerais são:

– Se você senta ereto, faz pedaladas curtas e não usa roupas de ciclismo, procure um selim com a ponta curta e traseira mais larga e acolchoada.
– Se a bike tiver uma postura mais ereta, selins mais planos costumam funcionar melhor..
– Bicicletas com a frente baixa combinam mais com selins com a frente estreita.
– Selins arredondados posicionam melhor o corpo, mas podem provocar um pouco mais de pressão na região do púbis.
-Os selins com sulco podem ser boas opções para aliviar a pressão no períneo. Mas, eles não funcionam perfeitamente para todos. Mais uma vez, trata-se de uma escolha pessoal.

 

7 – Invista em selins e roupas para mulheres

As mulheres costumam ter o quadril um pouco mais largo, além de outras diferenças significantes na anatomia. Por isso, muitas vezes, um selim feminino pode funcionar melhor para elas.

Além disso, é comum que roupas de bicicleta para mulheres tenham diferenças na espuma da bermuda, por exemplo. A variação pode acontecer no formato da almofada, no posicionamento de costuras, densidade e até mesmo na posição de sulcos e relevos.

 

8 – Levante o guidão e use uma mesa menor

Muitas vezes, a dor nas mãos acontece quando o guidão da bicicleta está muito longe ou muito baixo (às vezes as duas coisas). Com isso, muito peso fica concentrado nas mãos e braços, o que pode causar incômodos.

Neste caso, geralmente investir em um guidão com curvatura para cima (rise) e em uma mesa mais curta pode ajudar – isso seria rapidamente resolvido com um bike fit.

Porém, antes de comprar qualquer coisa, você pode fazer um teste colocando mais espaçadores abaixo da mesa. Se isso não for o suficiente, você ainda pode usar a mesa invertida, levantando o guidão o mais alto possível – não fica bonito, mas ao menos você descobre se a dor pode ser resolvida dessa forma antes de gastar dinheiro.

 

9 – Gire o guidão da bike de estrada

Se você estiver utilizando uma bike de estrada, uma boa dica é girar o guidão para cima em alguns poucos graus, permitindo que seu punho fique mais reto enquanto você segura o guidão. 

Preste atenção em onde a pressão está acumulada na palma da sua mão e tente encontrar a posição do guidão em que ela fique melhor distribuída – lembre-se que isso muda muito de pessoa para pessoa, e que a melhor forma é observar “onde o calo aperta” durante a pedalada.

 

10 – Escolha uma boa luva

A luva, assim como o selim, é um acessório cuja compra pode ser contra-intuitiva. Isso porque luvas muito acolchoadas também não costumam funcionar bem em pedaladas mais longas. O ideal é escolher um modelo com aplicação de gel na palma, mas apenas em algumas regiões, e apenas na largura e firmeza corretas – nada muito espesso ou mole.

É importante destacar que algumas luvas possuem mais acolchoamento no centro da palma, enquanto outras possuem mais suporte nas laterais da palma. Mais uma vez, vale a pena procurar um modelo que funcione bem para você.

 

11 – Troque a posição das mãos

O guidão da bike de estrada pode ser segurado na parte de baixo, na de cima e ainda na parte central. Por isso, troque frequentemente a posição das mãos no guidão – a variação ajuda a minimizar os casos de dor e dormência.

 

12 – Pedale em pé 

Pedalar em pé de tempos em tempos ajuda bastante a aliviar a pressão no selim da bike. Por isso, lembre-se de levantar em intervalos frequentes – você pode pedalar em pé na subida, ficar em pé na bike nas descidas ou mesmo engatar uma marcha mais pesada para poder pedalar em pé no plano.

13 – Uso roupas de ciclismo sem roupas de baixo

Uma boa bermuda de ciclismo, dessas feitas em material elástico com almofada de proteção, ajudam muito a evitar dores durante a pedalada. É importante dizer que elas não devem ser utilizadas com roupas de baixo, já que seu corte foi feito especialmente para evitar pontos de atrito da pele com o tecido. 

 

14 – Bicicletas com suspensão integral

Bicicletas com suspensão traseira como a Oggi Cattura Sport e a Oggi Cattura Pro T-20, aumentam o conforto da pedalada, reduzindo o desgaste e as dores no corpo de quem está pilotando.

15 – Bicicletas de passeio

Bicicletas de passeio ou uso mais urbano como a Oggi Big Wheel 8.0 e a Oggi Flex 200 possuem uma posição de pilotagem mais ereta, o que ajuda bastante a evitar dores e desconfortos, principalmente na região lombar e na nuca.

 

16 – Dores na lombar

Dores nas costas, principalmente na região da lombar, costumam indicar uma bicicleta com uma posição mais agressiva do que o corpo do ciclista pode tolerar, seja por falta de costume, treinamento ou alongamento – em todos os casos, a melhor coisa a se fazer é procurar ajuda profissional.

 

17 – Vá aos poucos e não desista

Assim como qualquer outra coisa na vida, andar de bike exige adaptação. Afinal, mesmo que um selim seja super confortável, seu corpo simplesmente não está acostumado a passar várias horas sentado nele.

Por isso, comece com pedaladas menores e, aos poucos, vá aumentando a distância e o tempo de seus pedais. Com isso, seu corpo ganha tempo para se adaptar à nova atividade.

 

Esquecemos alguma dica? Gostaria de complementar? Use os comentários em nossas redes sociais!